Archive for Setembro, 2010

evidência .

29/09/2010

vamos escrever nossa história em livros para não esquecermos a nós mesmos.

olor .

24/09/2010

o perfume é parte da imagem feminina, ele completa o labirinto.

implícito .

24/09/2010

o que eu disse é só metade daquilo que não falei.

alísios .

23/09/2010

das respostas que o vento me trouxe, a que mais aproveitei foi o silêncio.

tudo .

12/09/2010

queria ser outro, ter mais, ser mais, uma casa maior, com vista para o mar sobre a montanha, comida posta à mesa, cerveja na geladeira, amigos na sala, festa no quintal, conversas na varanda, eu queria ter uma varanda, amor para me apegar, desgarrar, todos os livros na estante, todas as cartas, seguir todos os destinos, de Uberaba à Murmansk, ver o Quebra-Nozes, dançar as músicas típicas de Bruges e de Gales, tocar oboé na sacada, ter mais histórias para contar, mais pessoas para ouvir, mais atos impensados, mais solitude e menos solidão, queria os porres de sábado à sexta, fogo em cada palavra, sentimentos escancarados, frases certeiras, peito aberto, queria mais do mesmo, repetições, improvisos, declarações, somente vontades sobre desejos, queria, teria, seria tudo o que sou.

escolha .

06/09/2010

o livre arbítrio é inerente à classe social do indivíduo.

solitude .

05/09/2010

no parapeito, nostálgico, o curió assovia uma canção pequena, tão lamurienta quanto doída – sua companheira morta por pedra e mira. nenhum sorriso infantil pode equiparar a solidão intocável do vôo sem par, do dó sem fá, numa canção agora incompleta.