voraz .

29/05/2012

a gente primeiro é pego por essa necessidade primeva que começa pelo estômago e não acaba nos pratos e bolsos vazios, só na boca entupida de comida que o dente mastiga e reitera.


fiel .

28/05/2012

o minuto urge, é preciso ser quente e frio, com pressa e calma ter o amor e o ódio na mesma medida – porém em copos distintos – pois é necessário cessar o rancor e lavrar o afago sem remorso, como há de se praguejar com honestidade e sorrir um riso sincero sem máculas, viver uma alegria sem outra intenção e mostrar um desprezo sem comiseração.


essência .

28/05/2012

não há o que possa ser completamente explicado, nem em dez frases nem em mil livros – o bilhete no café pode dizer tanto mais do que qualquer livro de poemas, então por que utilizar mais quando menos desvela o pouco da mesma luz e da mesma sombra de um dia belo que pode ser apreciado mas nunca da mesma forma e intensidade que deve ser escrito?


adiante .

24/05/2012

e andamos para frente, olhando sobre os ombros a estrada que passou, sabendo que podemos tropeçar adiante, pois vivemos através da memória, que é a origem e o destino: essas ruas que vem do passado e pavimentam um outro devir – mas já não é a destinação que importa, é a caminhada e a felicidade que traz colocar um pé depois do outro num rumo quase sempre inesperado.


depois .

22/05/2012

sobre os fios, pairam os pássaros irrequietos. Na parede, o relógio solene tiquetaqueia a gravidade das horas. Um instante e mais outro se estendem além da margem visível dos acontecimentos, a hora incerta que se aprofunda em mim e eu me afundo nela, enquanto espero um trem que me leve para uma cidade sempre distante da saudade.


fragata .

17/05/2012

chega o dia de içar as velas e navegar para um outro horizonte , assim afogar o rastro do passado nas profundezas pelágicas invisíveis para então seguir adiante, para o porto e o mar além da penumbra – velejar em direção ao novo destino que aguarda com um sorriso largo e de peito aberto.


persiana .

14/05/2012

e o mais importante nem sempre está escrito, há um segredo nas entrelinhas expresso numa língua cifrada que só pode ser lida com o olhar afinado.


dueto .

13/05/2012

o tempo se dilatou além do olhar e de qualquer algo que pudesse ser dito, através da paisagem e do momento noturno que assentava, entre fios de cabelos emaranhados e sob os lençóis de uma cama sem paz. Sonhavam a sensação compartilhada, pareciam cantar a mesma canção.


azáfama .

10/05/2012

amanhã é sempre tarde demais para os amantes.


impossibilidade .

05/05/2012

a mente divaga entre os miolos, buscando a palavra que não pode representar fielmente o que se passou; uma forma abstrata das sensações que não estão completamente expressas em qualquer frase que possa ser construída.